domingo, 16 de junho de 2013

Literatura Infantil - Ferramenta Indispensável para a Educação

Qual o objetivo da literatura infantil?

A literatura infantil objetiva não só distrair ou divertir as crianças, mas também informar e ensinar através de uma linguagem mais próxima de seu entendimento. Caracteriza-se pela forma de tratar da realidade através do sonho, dando vida a objetos inanimados e trazendo a existência o que jamais existiu. A literatura infantil tem o poder de encantar porque mexe com a imaginação fazendo com que o indivíduo sonhe...


A criança tem a tendencia natural de viver no mundo da imaginação e esse fato está muito longe de ser um problema, pois faz parte do universo infantil. Contar história para crianças é extremamente importante porque possibilita ao professor adentrar nesse mundo mágico, para a partir disso ensinar conceitos antes impossíveis de serem assimilados. Ouvir histórias é, antes de tudo, se permitir sonhar, visitar lugares mágicos, viver histórias inacreditáveis e conhecer pessoas incríveis e tudo isso já faz parte do universo da criança.

Não se pode tirar o prazer da literatura infantil taxando-a de informativa ou repassadora de ideologias como também não se deve esquecer da importância que ela possui para o ensino. Tendo em vista esses dois pilares, se faz necessário um bom planejamento até para se contar uma história, nem todas se adequam ao nível de cada criança por serem complexas e de difícil assimilação. 

Para Carlos Drumom de Andrade e Cecília Meireles não há distinção entre literatura considerada infantil e adulta. para esses autores a boa literatura agrada a todos. Não discordo desses autores, pois é possível encontrarmos crianças apaixonadas por livros escritos para o público adulto, porém defendo a ideia de que há algumas mudanças tanto no estilo como na forma de se escrever.

Onde e como a literatura Infantil Surgiu?

A literatura infantil surgiu no século XVIII onde as crianças ricas liam os clássicos e as pobres acomodavam-se as histórias folclóricas e de cavalaria repassadas de forma oral. No Brasil, Monteiro Lobato acentuou o estilo retratando problemas vividos pelo país através de seus personagens. Foi ele que, através do Sítio do Pica-pau Amarelo afirmou que no Brasil haveria petróleo em uma época que nem se falava neste assunto no pais.

Hoje a literatura infantil encanta a todos os seguimentos da sociedade organizada. Quem nunca, depois de ter atingido a fase adulta se deliciou assistindo um filme baseado num clássico da literatura infantil? Ou leu e releu o Pequeno príncipe? No passado a distinção era óbvia, porém nos dias de hoje concordo, em partes como já falei, com os autores citados acima quando afirmam a literatura realmente boa agrada a todos, a diferença existe porém não serve de impedimento para nenhum leitor.

Livros na antiguidade

No passado, os livros eram considerados um tesouro. Todo o trabalho, da capa a escrita das páginas era feita de forma artesanal. Como não existia a imprensa, criada posteriormente por Gutemberg, cada exemplar era copiado a mão e suas capas criadas e recriadas de forma artística. Hoje, com o advento da tecnologia tudo ficou mais fácil, porém a matéria prima do livro continua a mesma "a palavra".

A palavra escrita quando é usada para informar não poderá fugir do seu sentido denotativo, pois devera mostrar os fatos de forma clara e concisa para que o leitor, ao se deparar com a informação possa entender o que de fato o autor quis repassar. Já quando a palavra é usada de forma artística ela repassa sentimentos, emoções, deixando para o leitor a incumbência de tomar suas próprias conclusões a respeito predominando nesse caso a conotação.

A informação tem como objetivo restrito informar como seu próprio nome já diz, porém a arte não só informa como também encanta, diverte e emociona. O que não podemos esquecer é que nem toda informação é arte, porém toda arte é informação.     
   

Nenhum comentário :

Postar um comentário