segunda-feira, 1 de julho de 2013

Como o PIBID está contribuindo para a minha formação continuada

Infelizmente a educação não está entre a lista de prioridades dos Estados e está acontecendo uma má gestão dos recursos. Quando os governos são mudados, consequentemente mudam-se toda a política educacional não havendo uma continuidade. O clientelismo tem predominado no setor da educação, é tanto que hoje os governos já estão querendo terceirizar a gestão retirando o estado desse setor, principalmente nas gestões municipais. Enquanto a educação for movida por corporativismo sempre haverá disputa entre os métodos de educação. Por este tratar-se de um tema muito extenso, irei apenas me deter em como o PIBID tem contribuído na minha formação como professora da educação básica...


Em primeiro, o programa tem mostrado na prática que a teoria nem sempre está tão distante da vivência nas escolas e que com alguns ajustes é possível desenvolver exelentes trabalhos. A teoria é desacreditada muitas das vezes por nós professores pelo fato da sociedade está se evoluindo muito depressa, a tecnologia tem aproximado muito as pessoas e a informação circula quase que instantaneamente. Por esse motivo a interação entre os professores formandos e os que estão em formação tem demonstrado que as teória não ensinam, mas inndicam caminhos a serem seguidos.

A atividade pedagógica realizada em conjunto tem demonstrado que, como um bom planejamneto sempre estará por traz de uma boa aula, com a ajuda do planejamento contínuu o dia a dia na escola foram melhorando gradativamente. Sabemos que a repetição de determinadas atividade, com o tempo acaba virando rotina e é essa rotina que destroi qualquer prática quando não administrada corretamente, é isso que acaba acontecendo com a prática de muitos professores que já estão anos no exercício da docência. Já os graduando não estão passando por esse processo de esfriamento profissional e assima de tudo estão recebendo orientação direta com relação às novas tecnologias de ensino. Essa efervecencia teórica somada ao otimismo com relação à prática foi recebida de forma positiva, recebemos uma engeção de animo em nossas vidas. Aprendemos através de seus exemplos que é sempre possível mudar, e melhorar um pouco mais a cada dia, cada semana e em cada projeto.

Outro fator que o trabalho me mostrou foi que não importa a quantidade de professores que se encontram em uma sala de aula, se não ouver um bom planejamento todo o trabalho será perdido. Libânio afirma que: o planejamento escolar é uma tarefa docente que inclui tanto a previsão das atividades didáticas em termos de organização e coordenação em face dos objetivos propostos, quanto a sua revisão e adequação no decorrer do processo de ensino”. Chegavamos a seis professores no desenvolvimento de determinadas atividades nas oficinas temáticas e ainda assim, algumas vezes, mesmo que poucas chegavamos a perder o controle da turma.

A formação continuada abarca o conjunto de atividades desesnvolvidas por nós, professores em exercício com objetivo formativo, no intuito de prepararnos para enfrentar as tarefas atuais da profissão ou algo novo que possa surgir nas escolas ou nos ambientes de trabalho onde exercemos o papel de educador. O PIBID nos traz suporte teórico e pedagógico para a melhoria das nossas ações. O programa tem a característica de abertura para novos projetos e novos saberes experienciais. Ele aproxima a teoria da prática e permite que modificações sejam feitas, atitude está indispensável para a construção de uma nova maneira de educar.

A prática docente compreendida sobre a óptica do PIBID está sempre requerendo a mobilização dos saberem teóricos e práticos, possibilitando um maior desenvolvimento das bases, fazendo com que possamos investigar a nossa própria prática, para que a partir dela eu possa construir meus saberes num processo contínuo. O tempo passa e com ele aquilo que foi apreendido no passado acaba caindo no esquecimento, mas o PIBID acaba trazendo de volta o gostinho das teorias e me faz refletir mais sobre a minha profissão, sobre o como ensinar aos meus alunos. Foi com ele que, de certa forma aprendi a avançar nos modos de produzir minha ação e isso foi mudando minha prática.

Nós professores temos hoje o horário coletivo de trabalho pedagógico dedicado as discussões e avaliações do que realizamos individualmente ou em grupos articulados em volta de projetos mais amplos. O PIBID acaba entrando como uma grande ferramenta para a realização dessas atividades na escola. Nos encontros para o planejamento sempre acontece à troca de informações e experiências para a produção de respostas aos problemas que surgem durante o processo de ensino-aprendizagem.

Muito dizem que a Formação Docente é desvalorizada, então vejo nesse programa uma nova alternativa viável para que se possa reverter essa situação, entendendo o PIBID como um programa pioneiro na ressignificação da nossa identidade docente. Entendo que o PIBID, na escola onde atuo, assumiu uma importante tarefa, a de envolver pibidianos/futuros professores, alunos e professores das séries iniciais com o objetivo de criar novas estratégias que sejam possibilitadoras de aprendizagens.


Penso que esse Projeto motivou a todos os envolvidos em seguir estudando e trabalhando nessa área tão desafiadora da educação, porque ele está contribuindo para uma maior valorização da docência, promovendo a interdisciplinaridade e a contextualização de conteúdos. Percebemos que as metas estão sendo atingidas e isso tem trazido muitas contribuições para os alunos e professores da escola. Essa experiência tem servido para mostrar que é possível qualificar a formação e o Trabalho Docente. O PIBID tem sido apenas um exemplo de que isso é possível de acontecer.

Nenhum comentário :

Postar um comentário