sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Brevidade da vida - Reflexão no Hospital

Passei dois dias com a minha mãe no HGE - Hospital Geral do Estado - aqui em Maceió na enfermaria e aproveitei para refletir um pouco sobre a vida e o valor das pessoas.Gostaria de dividir com vocês em poucas palavras as conclusões em que cheguei.

Só sabemos quem realmente nos ama quando nos encontramos em dificuldades. Não pretendo redescobrir a América com essa afirmação até porque isso todo mundo já sabe, trago a tona pelo fato de ninguém querer admitir isso!

O papinho de que os pais amam todos os filhos de igual maneira é balela, até porque as pessoas são diferentes uma das outras e isso já nos faz amar de forma diferenciada. Os filhos nem sempre os amam como deveriam, mas há sempre aqueles que fariam de tudo para trocar o lugar com os pais na hora da dor e sempre estará presente em suas vidas até o dia em que darão o último suspiro. Por mais que as mães amem cada ser que é gerado em seu ventre, sempre haverá aquele que a fará voltar a vida só com a sua presença.

Só percebemos o quanto a vida é frágil quando visitamos um hospital e contemplamos tanta gente enferma de várias idades e classes sociais tendo suas vidas ceifadas das mais variadas formas. Pretendo visitar mais os hospitais para aprender a valorizar o que me foi dado de graça e que cedo ou tarde será tirada de mim sem nenhum motivo aparente ou justificável tão boa que seja capaz de convencer aqueles que me amam.

E por fim, a morte não é um privilégio apenas dos pobres ou não religiosos, todos terão de enfrentá-la um dia, alguns com muita dor e sofrimento, outros serenamente como numa bela noite de sono.

Diante da brevidade da vida reconheça Jesus em todos os seus caminhos e lute para ser uma pessoas melhor para Deus, para se mesmo e para o próximo. Sabe para quê Jesus nos reconciliou com Deus? "para apresentar-vos perante Ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis". Colossenses 1:22           

Nenhum comentário :

Postar um comentário